Os TOP 9 Snipers da História

rob

 
09. Rob Furlong
Rob Furlong, soldado do exército canadense, era o responsável pelo mais distante tiro de sniper. Ele atirou num homem em um ninho da Al-Qaeda de 2.430 metros de distância. Furlong é contratado atualmente para treinar equipes de snipers das maiores forças especiais do mundo, entre elas a SWAT.
 
CAVALRY
 
08. Craig Harrison
Quem ocupou o lugar de Furlong foi Craig Harrinson, um sniper britânico, neutralizando dois insurgentes talibãs no Afeganistão. A distância foi de 8.120 pés (2.476,6m), medida por GPS. Uma distância tão grande que os alvos não ouviram os disparos.
Harrison acertou os insurgentes em um novembro, numa operação na província de Helmand, disparando um rifle Accuracy International L11583. O primeiro tiro acertou um homem operando uma metralhadora, atingindo-o no estômago, matando-o na hora.
 
O segundo homem tomou a metralhadora e também foi atingido do lado. Craig apesar do feito ainda é pouco conhecido e seu trabalho continua ser em missões especiais pela Inglaterra.
 
16b
 
07. Charles “Chuck” Mawhinney
Nem sua esposa sabia que Chuck Mawhinney foi um dos atiradores que estavam no topo da elite do exército dos EUA, pertencendo ao Corpo de Fuzileiros Navais que encararam o Vietnã, antes que um amigo escrevesse um livro destacando serviço de Mawhinney.
 
No livro, estava escrito: “….trouxe à luz, o registro de Mawhinney com 103 mortes confirmadas no Vietnã e com 213 nas demais missões confirmadas.” Mawhinney deixou o Vietnã em 1969, após 16 meses como franco-atirador. Após um breve período como instrutor de fuzil em Camp Pendleton, deixou a Marinha e voltou para sua casa em Oregon. “Eu apenas fiz o que fui treinado para fazer. Eu estava no país há muito tempo, em uma zona quente. Eu não fiz nada de especial.”
 
454px-vasily-zaitsev
 
06. Vasily Zaytsev
Vários snipers foram retratados em filmes, ou tinham personagens baseados neles, mas nenhum é mais famoso que Vasily Zaytsev, cujo registro foi a base do filme de 2001 “Enemy at the Gates” (conhecido pelo brasileiros como “Circulo de Fogo”) . Você sabe que você deixou sua marca na história quando um ator famoso como Jude Law, o interpreta em um filme sobre sua vida. Pena que boa parte do filme seja ficção, como o duelo com o atirador alemão demonstrado durante as cenas pesadas que segundo estudiosos, não existiu.
 
Porém o registro de Vasily fala por si: 149 mortes confirmadas, contudo, o número pode ultrapassar os 400, visto as mortes não confirmadas que o comandante de Zaytsev alega ter acontecido. O engraçado dessa história é que Vasily não tinha respeito algum antes de ir para guerra. Não era reconhecido por suas habilidades com o rifle e nem como um soldado excepcional. Quando chegou na investida contra os nazistas, Zaytsev sequer recebeu um rifle.
 
Foi para o meio do fogo cruzado sem armamento, recebendo apenas um pente com cinco balas. Por sorte ele acha um fuzil e mata cinco alemães com cinco tiros. Depois disso amigo, o inferno começou porque Zaytsev dificilmente errava um tiro. Mesmo em combates pesados, onde os russos encontravam-se em desvantagem, o sniper sozinho derrubava mais da metade do que o total feito pelo pelotão inteiro. Então dá para imaginar um sujeito desses com o rifle na mão. ( Praticamente Chuck Norris jogando Counter-Strike com uma AWP ).
 
lyudmyla_m_pavlichenko
 
05. Lyudmila Pavlichenko
Em junho de 1941, os alemães lançaram a Operação Barbarossa atacando a União Soviética. Lyudmila estava estudando na Universidade de Kiev. Ela era muito bonita e estava com 24 anos, se formando em História. Independente disso, ela pediu para se juntar a infantaria e utilizar um rifle. O responsável pelo alistamento riu.
 
Então ela mostrou um certificado de franco-atirador para provar que ela falava sério ( do qual havia feito anos atrás ). Ele tentou dissuadí-la para tornar-se uma enfermeira, mas ela recusou. Foi parar na 25ª Divisão de Infantaria. Ela se tornou uma das duas mil mulheres snipers soviéticas das quais somente 500 sobreviveram a guerra.
 
Como sniper, as duas primeiras mortes foram registradas próximas a Belyayevka. Seu rifle era um rifle Mosin Nagent com uma mira P.E. 4-power. O Mosin-Nagent era um rifle de 5 tiros. Ele disparava uma bala de 148 gr a uma velocidade de 853 m/s. Era muito útil para alvos a mais de 550 m.
 
Pavlichenko lutou cerca de dois meses e meio próximo a Odessa. Lá, ela registrou 187 mortes. Os alemães tomaram controle de Odessa e a unidade dela foi direcionada a Svastopool na Península da Criméa. Em junho de 1942 ela foi ferida por um tiro de morteiro. Em maio de 1942, a tenente Pavlichenko foi citada pelo Conselho do Exército Vermelho por ter matado 257 alemães. O número total de mortes confirmadas de Pavlichenko durante a segunda guerra é de 309 + 36 snipers inimigos.
 
Ela encontrou um livro de memórias de um sniper alemão que ela matou. Ele havia matado mais de 500 soldados soviéticos. Lyudmila considerada uma heroína, menos de um mês depois de ser ferida foi retirada de combate. Ela foi enviada ao Canadá e aos Estados Unidos se tornando a primeira cidadã soviética a ser recebida pelo presidente dos EUA. O presidente Roosevelt e sua esposa a receberam na Casa Branca.
 
Lyudmila foi convidada por Eleanor Roosevelt a viajar pela América relatando suas experiências. Antes, ela foi convidada a comparecer a Assembléia Internacional de Estudantes que estava acontecendo em Washington, onde ela foi recebida como heroína. Mais tarde ela participou de encontros e conferências em Nova York. No Canadá, ela foi presenteada com um rifle Winchester com mira ótica, o que está a mostra no Museu Central das Forças Armadas em Moscou.
 
Quando ela estava voltando para a União Soviética, ela ganhou uma pistola Colt semi-automática. Ela foi promovida a Major, nunca retornou a vida militar e tornou-se uma instrutora de tiro. Ela treinou centenas de snipers soviéticos até o fim de guerra. Em 1943, ela recebeu a Estrela de Ouro (Gold Star), título de Herói da União Soviética.
 
Lyudmila retornou a Universidade de Kiev. De 1945 a 1953 sendo pesquisadora assistente da marinha soviética. Ela também esteve envolvida em numerosas conferências e congressos internacionais e membro ativa no Comitê soviético de Veteranos de Guerra.
 
Lyudmila Pavlichenko morreu em 10 de outubro de 1974 aos 58 anos e está enterrada no Cemitério Novodevichiye em Moscou.
 
 sn_slika-81
 
04. Francis Pegahmagabow
Cabo Francis Pegahmagabow, (Março 9, 1891 ” Agosto 5, 1952) era um aborígene e um soldado decorado pelas mais alta honrarias por bravura dentro da História militar canadense, talvez o mais eficaz Sniper da 1ª Guerra Mundial. Ganhou três vezes essa Medalha militar.
 
Há creditado como responsável pela morte de até 378 alemães e por capturar mais 300. Suas condecorações são apenas inferiores ao respeito que o mesmo possuía no exército. Ele era aquele que chegava em determinado acampamento militar e todo mundo ficava olhando e suando frio.
 
Seus feitos ultrapassaram fronteiras e os inimigos temiam encontrar com Francis no campo de batalha. No entanto, a vida militar não foi assim tão simples como parece. Foi ferido gravemente, duas vezes. Mesmo asssim, dado o tempo necessário para recuperação, Pegahmagabow estava novamente na linha de ataque ou entrincheirado nos campos.
 
Enquanto os demais eram mandados embora, ou direcionados para outras funções, Francis colocava seus curativos, pegava o fuzil e voltava para batalha, parecendo um múmia, entretanto mais furioso que nunca. E não deve ser nada legal ver um cara desses furioso (principalmente se você é o inimigo dele).
 
Adelbert-F.-Waldron
 
03. Adelbert F. Waldron III
O franco atirador Sargento. Adelbert F. Waldron III foi um que obteve maior destaque entre as lendas estadunidenses como Carlos Hathcock e Benjamin Charles “Chuck” Mawhinney.
 
Ele é um dos atiradores mais bem sucedidos dos EUA, com 109 mortes confirmadas. Atiradores de elite no Vietnã , comandados pelo coronel Michael Lee Lanning, descrevem o quão bom Waldron foi:
 
“Uma tarde, ele estava andando ao longo do rio Mekong em um barco Tango quando um sniper inimigo em terra atirou contra o barco. Enquanto toda a gente a bordo se esforçava para encontrar o sniper, ou um lugar para se proteger, o sargento Waldron pegou seu rifle sniper e derrubou o Vietcong do topo de um coqueiro à 900 metros do barco com um único tiro (isso partir de uma plataforma em movimento).”
 
Essa foi a demonstração mais impressionante da capacidade dos nossos melhores snipers. ” Waldron é uma das poucas pessoas que foi condecorado com a “Distinguished Service Cross” duas vezes. Ele morreu em 1995 e está enterrado na Califórnia.
 
carlos2
 
02. Carlos Hathcock
Mesmo que ele não possuindo os registros de mais mortes confirmadas ou maior tiro, a lenda Carlos Hathcock perdura. Ele é o Elvis de atiradores de elite, o Yoda do Exército Americano.
 
Hathcock, às vezes chamado de White Feather (Pena Branca) por causa da pena que ele usava no chapéu, entrou para a Marinha aos 17 anos. Não levou muito tempo para que o corpo naval percebesse que o garoto pobre e maltrapilho do Arkansas seria um talentoso atirador. Ele conseguiu o posto de atirador de elite, ainda no acampamento e começou a ganhar competições de tiro de prestígio quase que imediatamente.
 
Mas os militares tinham mais em mente para Hathcock do que apenas ganhar taças, e assim ele foi enviado para o Vietnã, em 1966.
Hathcock voluntariou para isso e em muitas missões, de acordo com o Los Angeles Times , os comandantes tinham de restringir-lhe “cotas” para fazê-lo descansar. Ele era o melhor. Hathcock teve 93 mortes confirmadas durante os dois turnos de vigilância, o número real pode ser maior.
 
Com as “não confirmadas” Hathcock provavelmente ultrapassa as 100. No entanto, sua fama começou a atrapalhar, pois o ódio pelo do seu inimigo era tanto que havia no Vietnã , uma recompensa equivalente a 30.000 dólares por sua cabeça. No final, nenhum sniper inimigo conseguiu derrubar Carlos Hathcock.
 
Uma das histórias sobre Carlos diz que, certa vez ele cobriu 2km de terreno com grama durante quatro dias sem se alimentar e beber água direito. A área estava coberta de patrulhas, tanto que um vietcong pisou na sua perna (mas não sobreviveu tempo suficiente para gritar). Abateu um general vietcong a 800m e teve que fugir dos vietcongs que os procuravam. Na fuga derrubou mais um pelotão até conseguir um abrigo consideravelmente seguro. Ele morreu em 1999, aos 57 anos, abatido após uma batalha com esclerose múltipla.
 
simo-hayha
 
01. Simo Häyä, a “Morte Branca”
Simo Häyä tinha uma vida bem entediante na Finlândia. Ele serviu um ano mandatório no exército, e então se tornou fazendeiro. Mas quando a União Soviética invadiu sua terra natal em 1939, ele decidiu que queria ajudar seu país.
 
E amigo, com certeza foi nesse momento que surgiu a frase: “Mexeram com a pessoa errada”. Já que a maioria das lutas ocorriam nas florestas, ele achou que o melhor jeito de impedir uma invasão era pegar seu rifle de confiança, duas latinhas de comida e esconder-se em uma floresta o dia inteiro, atirando em russos. Sob dois metros de neve. Entre temperaturas de 20 a 40 graus abaixo de zero.
 
Claro que quando os Russos ouviram que dezenas de seus homens estavam sendo apagados, e que era só um cara com um rifle, eles ficaram assustados pra caralho. Ele ficou conhecido como a “Morte Branca” por causa de sua camuflagem, e eles chegaram a montar missões inteiras apenas para matar esse único cara.
 
Eles começaram mandando uma força especial para achar Häyä e matá-lo. Ele matou a todos eles. Então eles tentaram juntar um grupo de counter-snipers (que são basicamente snipers que matam snipers) e os mandaram para eliminar Häyä. Ele eliminou todos também.
 
No decorrer de 100 dias, Häyä havia matado 542 pessoas com seu rifle. Ele derrubou mais 150 com sua metralhadora SMG, mandando sua contagem de corpos para mais de 690, um recorde universal que dificilmente será ultrapassado nessa realidade.Já que todos os homens que eles tinham estavam muito assustados ( não tinha mais ninguém com coragem suficiente para montar uma missão contra o cara ), ou muito mortos para chegar perto dele.
 
Os russos decidiram simplesmente bombardear todos os lugares onde acharam que ele poderia estar. Supostamente eles acertaram o local, e ele foi atingindo por uma nuvem de fogo que destruiu suas vestimentas e tudo ao seu redor, mas não o matou, porque ele é a maldita Morte Branca, é claro.
 
Finalmente em 6 de Março de 1940, algum bastardo de sorte acertou Häyä na cabeça. Quando os outros soldados o encontraram e o levaram para a base, a Morte Branca havia finalmente sido abatida.
 
Apesar de ter sido diagnosticado com um caso severo de síndrome de-tiro-no-meio-da-cara, ele ainda estava bastante vivo e recuperou a consciência em 13 de Março, o mesmo dia em que a guerra acabou. Simo Häyä morreu em 2002, em sua casa, anos depois de seu “acidente”.
 
Alguns “detalhes” deixam a história dessa maquina mortífera ainda mais interessante. Um deles é o fato de ele não usar mira de atirador de elite. Sabe aquelas miras bonitinhas usadas pelos franco-atiradores? Simon não usava! Primeiro porque aquilo iria identificar sua posição, segundo porque ele era fodão demais para ficar usado esses apetrechos de auxilio.
 
Outro detalhe que assusta é o fato que depois de bombardeado, Häyä continuou a detonar com os russos mesmo completamente ferido, sem fazer curativos e com as roupas esfarrapadas, num frio desgraçado que faria qualquer um congelar mesmo com o casaco mais grosso e impermeável possível.
 
Enfim, pelo conjunto de habilidades como atirador e seu desempenho fora do comum beirando o nível Divino, Simon Häyä, a Morte Branca, ocupa a primeira e merecida posição.
 
Fontes:
UniqueInterestingFacts
AhDuvido
ShadowShark29

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s